Notícias Paraíba Política

Crise não compromete uso de cota e senadores paraibanos gastam 14,6% a mais em relação a 2016

vai-e-faz_720x90

A crise econômica, impulsionada pela crise política, obrigou muita gente a puxar o freio em 2017, mas o problema parece não ter atingido a classe política. Uma pesquisa realizada pela reportagem do Blog do Gordinho no site da Transparência do Senado Federal mostra que os senadores eleitos pela Paraíba gastaram quase 15% a mais em relação a 2016 com a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar, também chamada de cotão. Juntos, os senadores gastaram R$ 835.961,02 em 2017. No ano anterior, os gastos somaram R$ 729.445,11.A crise econômica, impulsionada pela crise política, obrigou muita gente a puxar o freio em 2017, mas o problema parece não ter atingido a classe política. Uma pesquisa realizada pela reportagem do Blog do Gordinho no site da Transparência do Senado Federal mostra que os senadores eleitos pela Paraíba gastaram quase 15% a mais em relação a 2016 com a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar, também chamada de cotão. Juntos, os senadores gastaram R$ 835.961,02 em 2017. No ano anterior, os gastos somaram R$ 729.445,11.
Leia também: Verba usada por senadores com jatinhos cresce 40%; Maranhão aparece na lista dos que mais gastam
O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) teve a maior despesa com o mandato no ano passado, um total de R$ 370.390,16, seguido por José Maranhão (MDB), com gastos de R$ R$ 240.970,86, e Raimundo Lira (MDB), com R$ 224.600,00.
Embora Raimundo Lira tenha sido o mais econômico, ele foi também o senador que gastou mais em relação aos números de 2016: 28,78% de crescimento no uso da cota parlamentar. Cássio aparece em segundo, com aumento de 21,72%. Neste caso, a reportagem somou os gastos de Cássio e do suplente Deca do Atacadão (PSDB), que assumiu o mandato em setembro de 2016 por quatro meses.
Já o senador José Maranhão foi o único entre os paraibanos que conseguiu “economizar” em 2017. O mais experiente dos senadores conseguiu reduzir de R$ 250.753,45 para R$ 240.970,86, um percentual de 3,9%.
A Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar dos Senadores (Ceaps) é constituída pela verba de transporte aéreo e pela verba indenizatória. A despesa realizada pelo senador é ressarcida pelo Senado, mediante comprovação e até o valor limite mensal estabelecido, que é de R$35.555,20 para o caso da Paraíba.
Os valores referentes ao exercício de 2017 não são definitivos e devem crescer nos próximos meses, já que os pedidos de ressarcimento de despesas podem ser efetuados até o último dia de março do ano seguinte.
Confira as despesas dos senadores em 2017 com a Cota para Exercício da Atividade Parlamentar
Cássio Cunha Lima (PSDB)
Recurso Valor  Aluguel de imóveis para escritório político 35.000,24  Aquisição de material de consumo 2.560,48  Locomoção, hospedagem, alimentação, combustíveis e 25.766,53  Contratação de serviços de apoio ao parlamentar 158.563,80  Divulgação da atividade parlamentar 85.680,20  Passagens aéreas, aquáticas e terrestres nacionais 62.818,91  Serviços de Segurança Privada 0,00Total 370.390,16José Maranhão (MDB)
Recurso Valor  Aluguel de imóveis para escritório político 11.503,99  Aquisição de material de consumo 0,00  Locomoção, hospedagem, alimentação, combustíveis e 47.462,76  Contratação de serviços de apoio ao parlamentar 0,00  Divulgação da atividade parlamentar 117.000,00  Passagens aéreas, aquáticas e terrestres nacionais 65.004,11  Serviços de Segurança Privada 0,00Total 240.970,86Raimundo Lira (MDB)
Recurso Valor  Aluguel de imóveis para escritório político 22.000,00  Aquisição de material de consumo 0,00  Locomoção, hospedagem, alimentação, combustíveis e 0,00  Contratação de serviços de apoio ao parlamentar 19.000,00  Divulgação da atividade parlamentar 183.600,00  Passagens aéreas, aquáticas e terrestres nacionais 0,00  Serviços de Segurança Privada 0,00Total 224.600,00
Fonte: blogdogordinho

Comentários

comments

vai-e-faz_720x90